Povos e Nações

Daniel Cvijanovich: Prisioneiro que ameaçou GW Bush

Daniel Cvijanovich: Prisioneiro que ameaçou GW Bush

O seguinte artigo sobre Daniel Cvijanovich é um trecho de Hunting the President, de Mel Ayton: ameaças, conspirações e tentativas de assassinato - de Roosevelt a Obama.


George W. Bush, como presidentes antes dele, foi submetido a inúmeras ameaças de reclusos

Em 2007, Daniel Cvijanovich cumpria pena de prisão por jogar uma pedra no prédio federal de Fargo, Dakota do Norte, e ameaçar um oficial federal. Ele disse aos colegas presos Robby Aldrich e Kyle White que planejava matar Bush depois que fosse libertado da prisão. Aldrich e White informaram as autoridades sobre as ameaças de Cvijanovich, e ele foi acusado de ameaçar a vida do presidente.

No tribunal, o advogado de Cvijanovich caracterizou os comentários de seu cliente como "piadas, mentiras e exageros" e "o tipo de conversa fiada na prisão". Mas um júri discordou e considerou Cvijanovich culpado, condenando-o a dezenove meses de prisão.

O Serviço Secreto sabia muito bem que, durante décadas, muitos presidiários usaram o artifício de ameaçar o presidente para facilitar a mudança de uma prisão estadual para uma instituição federal, onde acreditavam que as condições de vida eram superiores.

Outros prisioneiros ameaçaram Bush. Charles E. Fuller era um criminoso de carreira que, em 2002, cumpria uma sentença de quarenta e seis meses na penitenciária federal de Terre Haute, Indiana, por enviar três cartas que ameaçavam o presidente Clinton em 1998. Pouco antes de sua libertação, Fuller decidiu ameaçar o presidente Bush e enviou uma carta manuscrita para a sede do FBI em Washington, DC

Na carta, Fuller expressou raiva contra os líderes do governo dos EUA e fez referências a cinco bombas em cinco locais separados. Ele também indicou que possuía uma lata de gás nervoso Serin. “Eu serei liberado em breve! Eu e meus amigos estamos indo atrás de todos os governantes da América! ”, Escreveu ele. Eles vão pagar! Bush é o primeiro! Ele vai morrer primeiro! Não terei um presidente criminoso no cargo! Eu mesmo o matarei!