Podcasts de história

Quando a prata foi mais valiosa do que o ouro?

Quando a prata foi mais valiosa do que o ouro?

Hoje em dia, consideramos como um dado adquirido que o ouro é mais valioso do que a prata. O exemplo óbvio são as Olimpíadas e outras competições que dão medalhas de "ouro" para o primeiro lugar e "prata" para o segundo.

Quando eu era mais jovem, li em algum lugar que prata era na verdade mais raro do que o ouro na Europa, até que os espanhóis começaram a explorar as minas de prata do Novo Mundo, e a infusão maciça de prata na Europa a desvalorizou.

Eu nunca vi isso declarado desde então, então duvido que seja verdade. No entanto, encontrei uma referência de que a prata era de fato mais rara no Egito durante o Império Antigo.

Portanto, parece que provavelmente houve longos períodos em áreas letradas onde a prata era mais valiosa do que o ouro. O que (e quando e onde) eles estavam?


De "A origem da moeda metálica e os padrões de peso", de Sir William Ridgeway (livros do Google); University Press, 1892

… Vimos que os árabes do Sudão até os dias atuais preferem a prata ao ouro, enquanto na primeira parte do século atual, quando o Japão foi aberto ao comércio europeu, os japoneses avidamente trocou ouro por prata a uma taxa de um a três e ainda menos pois não possuíam prata nativa e ficavam encantados com a beleza do pouco conhecido metal.

.

É quase certo que em todos os países em um estágio a prata deve ter tido um valor mais alto do que o ouro.

Posteriormente, à medida que sua produção foi aumentando, ele se tornou igual em valor e finalmente, pouco a pouco, muito menos valioso, até que finalmente a relação entre os metais é de 1/22.

Tudo isso nas páginas 145/146; as páginas anteriores fornecem algumas referências de documentos históricos para eles.


Embora a facilidade metalúrgica, o acesso geográfico e os hábitos de acumulação influenciem a quantidade de metal eficaz que circula na sociedade humana; a probabilidade fundamental do elemento na crosta terrestre também é informativa:

  • A prata é aproximadamente 64 vezes mais abundante que o ouro.

Uma sociedade que tinha menos prata do que ouro ou não tinha sorte na localização geográfica ou simplesmente não havia mineração ou comércio em primeiro lugar.


Na China, Xangai, nos séculos 19 e 20, o comércio era feito de taéis, feito de prata ... A riqueza de Xangai vinha do comércio de mercadorias que a China tinha a oferecer ... chá, seda ... por ópio trazido da Índia.
A prata foi para bancos britânicos que valiam mais do que ouro ... O HSBC nos anos 20 tinha de 6 a 7 milhões de libras em prata armazenadas.


SilverPrice

Calculadoras


Tópico: 1919: Quando a prata ERA mais valiosa que o ouro

Com o ouro em um dólar de prata valendo cinco centavos a mais do que o ouro em um dólar de ouro, a cruz de ouro não parece tão amarela e a coroa não é tão espinhosa quanto era & quot
http://chroniclingamerica.loc.gov/lc. Mais de + mais


& quotA moeda de prata em todo o mundo vale mais em ouro do que o valor nominal da moeda de ouro. & quot
O mineiro do condado de Mohave e nossa riqueza mineral. (Kingman, Ariz.) 24 de janeiro de 1920,
http://chroniclingamerica.loc.gov/lc. 24 / ed-1 / seq-7 /


& quotPela primeira vez na história, as moedas de prata das principais nações da Europa foram vendidas a um preço mais alto do que as moedas de ouro. É claro que isso não significa que a prata seja mais valiosa do que o ouro, apenas um dólar de prata ou xelim vale mais do que um dólar de ouro ou xelim. & Quot
Silver the World Sensation em 1919-1920
24 de janeiro de 1920
http://chroniclingamerica.loc.gov/lc. 24 / ed-1 / seq-7 /


& quotO aumento fenomenal do preço da prata de 48c. uma onça em 1915 a $ 1,37 c. em 1919 causou nosso dólar de prata padrão, valendo apenas 37c. em 1915, para valer $ 1,06 em ouro em 1919, e o dólar de prata valendo mais como ouro do que como moeda saiu de circulação devido à aplicação da lei inexorável anunciada por Sir Thomas Gresham, o conselheiro financeiro da Rainha Elizabeth. Gresham anunciou que 'dinheiro de menos valor tira dinheiro de mais valor'. Esta lei se aplica ao bimetálico ou o chamado padrão duplo de valor, bem como às moedas usadas. Como. nosso dólar de ouro na proporção de cunhagem de 1 para 16 de prata é agora menos valioso do que o dólar de prata padrão, o dólar de ouro mais barato tirou de circulação o dólar de prata mais valioso. Aqui está a prova do século XX da falácia do bimetalismo.

http://books.google.com/books?id=D2McAQAAMAAJ&pg=PA286
Revista de engenharia e mineração: Volume 109 - Página 286
Instituto Americano de Engenheiros de Mineração
1920

O plebeu. (Lincoln, Nebraska) 01 de dezembro de 1919

& quotOs financistas de Nova York estão cumprindo suas afirmações de honestidade
tão ruidosamente em 1896, ou eles estão pagando suas dívidas com um dólar de ouro barato? '.' perguntou o Sr. Bryan outro dia, quando o valor do ouro de um dólar de prata disparou além do valor do ouro de um dólar de ouro. & quot
http://chroniclingamerica.loc.gov/lc. 01 / ed-1 / seq-7 /

“Estou muito perplexo com as notícias do dia. Os jornais da manhã anunciam que
o ouro em um dólar de prata agora vale cinco centavos a mais do que o ouro em um dólar.
O choque me perturba. Não consigo falar com compostura. Meus pensamentos insistem em correr
de volta a 1896, quando os autoproclamados campeões de um dólar honesto declararam veementemente
que suas consciências não lhes permitiriam pagar suas dívidas com o melhor dinheiro. eu
estou esperando pacientemente pelos jornais da tarde para saber se esses homens estão pagando seus
dívidas hoje Em dólares de prata com prêmio ou se eles estão usando o dólar de ouro barato
para fins de liquidação. Se eu descobrir que eles estão usando moedas de ouro, agora cinco centavos abaixo de
equivalente de prata, devo sugerir a nomeação de uma comissão parlamentar de consciência
para averiguar por que esses homens que costumavam professar o mais alto padrão de patriotismo e honra,
caíram em desgraça. & quot
Williams Jennings Bryan
http://chroniclingamerica.loc.gov/lc. 01 / ed-1 / seq-9 /
O plebeu. (Lincoln, Nebraska) 01 de dezembro de 1919,

“Pelo que posso ver, a única coisa que manteve nosso dólar de prata em paridade com o dólar de ouro é que ele era resgatável em ouro, e seu valor consistia no metal nele contido e na garantia do governo por trás dele. Disseram-me, e não tenho razão para questionar, que na fronteira mexicana as pessoas levaram nosso dólar de prata dos Estados Unidos para o México, compraram um dólar em mercadorias lá e trouxeram de volta um dólar de prata mexicano com a mesma quantidade de prata como nosso. Nesse aspecto, porém, era diferente do nosso: não valia nada mais do que a prata nele, enquanto o nosso, ao ser levado ao Tesouro dos Estados Unidos, podia ser trocado por um dólar de ouro, com o qual você poderia comprar o dobro quanta prata havia em nosso dólar de prata, e leve-o para o México e faça com que seja cunhado em dois dólares de prata. & quot
http://books.google.com/books?id=DmMcAQAAMAAJ&pg=PA528
Revista de engenharia e mineração: Volume 110 - Página 528
Dezembro de 1920



Diretor da Casa da Moeda, Raymond T. Baker, e Anthony de Francisci examinando o modelo do novo dólar de prata - 19 de dezembro de 1921.


& quotO avanço no valor da prata a um ponto que eleva o valor do ouro de um dólar de prata acima do valor da cunhagem já reanimou a conversa sobre bimetalismo, e William J. Bryan, o ardente campeão da prata, aludiu ironicamente, em uma carta para & quotfinanciers & quot de New York, para o dólar ouro como & quot; dólar barato & quot; que vale mais do que um dólar de ouro & quot
The Banker's Magazine de julho a dezembro de 1919
http://books.google.com/books?id=EXk9AAAAYAAJ

& quot. a resposta à pergunta, se nossas moedas de prata não serão todas derretidas e exportadas privadamente, agora que o dólar de prata passou a valer mais como ouro do que como moeda. A resposta é que a exportação de prata por particulares é restrita pela lei de abril de 1918 a transações licenciadas pelo governo, que comprou a prata para suas moedas existentes a preços muito mais baixos do que aqueles pelos quais os dólares agora podem ser vendidos por ele no mercado quando derretido, está tendo um lucro considerável em sua própria operação. & quot

O caso para a proporção de 1: 1 de ouro para prata por Chris Duane a.k.a. Silver Shield --- Não pise em mim (veja o final do artigo para o texto que Kitco removeu deste post)
http://dont-tread-on.me/the-case-for-the-11-gold-to-silver-ratio/
Espelho: http://www.24hgold.com/english/contributor.aspx?article=3611077052G10020&contribu tor = Prata + Escudo

Inclui muitos dos artigos que o Kitco removeu devido à lei de direitos autorais que não existe.

A América crônica, de onde a pesquisa histórica foi derivada, é propriedade da Biblioteca do Congresso. Concessões foram dadas a bibliotecas em todo os Estados Unidos para digitalizar esses jornais extintos (ou seja, não existe mais nenhum copyright) e disponibilizá-los gratuitamente aos cidadãos dos Estados Unidos da América (e do mundo). Canadenses tolos!

A missão da Biblioteca do Congresso

A missão da Biblioteca é apoiar o Congresso no cumprimento de seus deveres constitucionais e promover o progresso do conhecimento e da criatividade para o benefício do povo americano.

Mas se você quiser ser minucioso
Direitos e reproduções

A Biblioteca do Congresso está fornecendo acesso a informações bibliográficas e páginas de jornais digitalizadas pelo Programa Nacional de Jornal Digital para fins não comerciais, educacionais e de pesquisa. Enquanto a Biblioteca não tem conhecimento de quaisquer direitos autorais ou outros direitos associados a este material, a permissão por escrito de quaisquer proprietários de direitos autorais e / ou outros detentores de direitos (como publicidade e / ou direitos de privacidade) é necessária para a reprodução, distribuição ou outro uso de quaisquer itens protegidos além do permitido pelo uso justo ou outras isenções legais. A responsabilidade por fazer uma avaliação legal independente de um item e garantir todas as permissões necessárias, em última análise, recai sobre as pessoas que desejam usar o item.

Além disso, & quotComo uma instituição governamental dos EUA com apoio público, a Biblioteca geralmente não possui direitos sobre suas coleções e o que é publicado em seu site. Portanto, não cobra taxas de permissão para uso de tal material e geralmente não concede ou nega permissão para publicar ou distribuir material em seu site. & quot


Direitos autorais e outros direitos relativos a obras do governo dos EUA

[SÃO] não sujeitos a direitos autorais nos Estados Unidos e não há restrições de direitos autorais sobre a reprodução, trabalhos derivados, distribuição, desempenho ou exibição do trabalho. Qualquer pessoa pode, sem restrição de acordo com as leis de direitos autorais dos Estados Unidos:

reproduzir o trabalho em formato impresso ou digital
criar trabalhos derivados
realizar o trabalho publicamente
mostrar o trabalho
distribuir cópias ou transferir digitalmente a obra ao público por venda ou outra transferência de propriedade, ou por aluguel, arrendamento ou empréstimo.
http://www.usa.gov/copyright.shtml

Não era mais uma moeda de prata, no entanto. Lady Liberty e sua coroa de espinhos se foram. O rosto que ele viu na moeda era o rosto indeterminado da lua no céu de verão.

Shadow não conseguia decidir se estava olhando para uma lua do tamanho de um dólar, trinta centímetros acima de sua cabeça, ou se estava olhando para uma lua do tamanho do oceano Pacífico, a muitos milhares de quilômetros de distância. Nem se houve alguma diferença entre as duas idéias. Talvez fosse tudo uma questão de como você olhou para ele .


Por que a prata era mais valiosa do que o ouro no antigo Egito?

Os primeiros egípcios não tinham uma palavra em sua língua para prata, apenas ouro e eletro - uma liga de ouro e prata encontrada naturalmente. Quando a prata foi introduzida pela primeira vez, era considerada mais valiosa do que o ouro, provavelmente por ser mais rara. Isso pode ser verificado porque as joias de prata na época eram mais finas e pesavam menos do que as joias de ouro. E os itens de prata durante o Império Antigo do Egito foram listados acima dos itens de ouro nos estoques domésticos.

No reino egípcio médio, o ouro era avaliado em cerca de duas vezes o da prata. Uma das primeiras medidas de valor foi o caco de prata. Era um disco redondo e achatado de prata com um peso específico. Não era usado como moeda em si, mas como medida de valor. Uma vaca foi avaliada em 8 shats, enquanto uma casa modesta foi avaliada em 10 shats. Pode-se trocar a casa pela vaca e exigir 2 barris adicionais de cerveja, pão ou outros bens.

Os egípcios usavam a prata sozinha, em conjunto com o ouro e como revestimento de cobre. Caixões de prata maciça apareceram, mas na maioria dos casos a prata foi usada como enfeite ou revestimento.

As joias de prata, assim como de ouro, no antigo Egito eram usadas para fins decorativos e serviam a um propósito religioso. Pensava-se que um amuleto tinha poderes espirituais concedidos à pessoa que o usava. Um amuleto é o símbolo representativo de um poder moldado em uma forma concreta, como uma joia. Por exemplo: o besouro ou escaravelho representava o renascimento e costumava ser usado pelo falecido quando era sepultado para ajudá-lo em sua jornada para a vida após a morte.


Conteúdo

O preço da prata é impulsionado pela especulação e oferta e demanda, como a maioria das commodities. O preço da prata é notoriamente volátil em comparação com o do ouro por causa do mercado menor, menor liquidez do mercado e flutuações de demanda entre usos industriais e de reserva de valor. Às vezes, isso pode causar avaliações abrangentes no mercado, criando volatilidade. [6]

A prata geralmente rastreia o preço do ouro devido às demandas de armazenamento de valor, embora a proporção possa variar. A proporção crustal de prata para ouro é de 17,5: 1. [7] A relação preço ouro / prata é frequentemente analisada por comerciantes, investidores e compradores. [8] Na época romana, a relação de preço foi fixada em 12 (ou 12,5) a 1. [9] Em 1792, a relação de preço ouro / prata foi fixada por lei nos Estados Unidos em 15: 1, [10] significava que uma onça troy de ouro valia 15 onças troy de prata, uma proporção de 15,5: 1 foi promulgada na França em 1803. [11] A proporção média do preço ouro / prata durante o século 20, entretanto, era de 47: 1. [12]

O ouro físico em moedas ou barras pode ter um prêmio de 20 por cento ou mais quando comprado de um negociante. As barras de ouro de prata estão disponíveis para compra a um prêmio de menos de 7% sobre o preço à vista da Comex durante grande parte de 2015 e início de 2016, enquanto as moedas cunhadas pelo governo ainda comandam um prêmio muito maior.

As moedas físicas geralmente têm um prêmio mais alto. Por exemplo, American Silver Eagle Coins de uma onça troy (ozt) são lançadas na casa da moeda dos EUA com um prêmio de $ 2 sobre o preço à vista flutuante da prata para distribuidores oficiais, que então vendem essas moedas de ouro de prata mais populares por uma marca de $ 2,30 a $ 3,50 onças sobre os preços à vista da prata, dependendo das condições de mercado.

Ano Preço de prata (média anual cum. [13])
US $ / ozt
Preço do ouro (média anual acumulada [14])
US $ / onça
Ouro / prata
Razão
World Silver
Reservas (em toneladas) [15]
Mineração Mundial
Produção (toneladas)
Reserva / Produção
Razão
1840 1.29 20 15.5 N / D N / D N / D
1900 0.64 20 31.9 N / D N / D N / D
1920 0.65 20 31.6 N / D N / D N / D
1940 0.34 33 97.3 N / D N / D N / D
1960 0.91 35 38.6 N / D N / D N / D
1970 1.63 35 22.0 N / D N / D N / D
1980 16.39 612 37.4 N / D N / D N / D
1990 4.06 383 94.3 N / D N / D N / D
1991
1992
1993
1994 13,900
1995 420,000 14,600 28.8
1996 420,000 15,200 27.6
1997 420,000 16,400 25.6
1998 420,000 16,400 25.6
1999 420,000 17,700 23.7
2000 4.95 279 56.4 430,000 17,700 24.3
2001 4.37 271 62.0 520,000 18,700 27.8
2002 4.60 310 67.4 570,000 20,000 28.5
2003 4.88 363 74.4 570,000 18,800 30.3
2004 6.67 410 61.5 570,000 19,700 28.9
2005 7.32 445 60.8 570,000 19,300 29.5
2006 11.55 603 52.2 570,000 20,200 28.2
2007 13.38 695 52.0 570,000 20,800 27.4
2008 14.99 872 58.1 570,000 21,300 26.8
2009 14.67 972 66.3 550,000 21,800 25.2
2010 20.19 1,225 60.7 525,000 23,100 22.7
2011 35.12 1,572 44.7 550,000 23,300 23.6
2012 31.15 1,669 53.6 560,000 25,500 22.0
2013 23.79 1,411 59.3 540,000 26,000 20.8
2014 19.64 1,280 65.2 550,000 26,800 20.5
2015 15.68 1,160 74.5 570,000 25,100 22.7
2016 17.14 1,252 72.9 570,000 25,700 22.2
2017 17.07 1,260 73.8 530,000 26,900 21.2
2018 15.71 1,269 80.8 560,000 26,800 20.9
2019 16,20 1,393 86.0 560,000 26,500 21.1
2020 20,54 1,770 86,2 500,000 25,000 20.0

Os preços do ouro e da prata para os anos de 2016 a 2019 (na tabela acima) baseiam-se nas informações de www.macrotrends.net em 10 de junho de 2019.

O preço da prata aumentou bastante desde setembro de 2005, inicialmente em torno de US $ 7 por onça troy, mas alcançando US $ 14 por onça troy pela primeira vez no final de abril de 2006. O preço médio mensal da prata foi de US $ 12,61 por onça troy durante abril de 2006, e o preço à vista era de cerca de US $ 15,78 por onça troy em 6 de novembro de 2007. Em março de 2008, pairava em torno de US $ 20 por onça troy. [16] No entanto, o preço da prata despencou 58% em outubro de 2008, junto com outros metais e commodities, devido aos efeitos da crise de crédito. [17] Em abril de 2011, a prata havia se recuperado para atingir uma alta de 31 anos em $ 49,21 por onça em 29 de abril de 2011 devido à inflação monetária e preocupações sobre a solvência dos governos no mundo desenvolvido, particularmente na zona do euro. [18]

Edição de 1979–1980

Os Irmãos Hunt (Nelson Bunker Hunt e William Herbert Hunt) assumiram uma posição enorme em prata usando alavancagem (capital emprestado, como dívida de margem), para se tornarem alguns dos maiores detentores privados de prata do mundo.

Por causa de sua participação invulgarmente grande na mercadoria que se valoriza rapidamente, Nelson Bunker Hunt e William Herbert Hunt, filhos do bilionário do petróleo do Texas Haroldson Lafayette Hunt Jr., foram acusados ​​de tentar "monopolizar" o mercado de prata para manipular seu preço.

A partir de 1973, os irmãos Hunt começaram o que era visto como uma tentativa de controlar o mercado de prata, potencialmente contribuindo para um aumento no preço em 18 de janeiro de 1980 do London Silver Fix para $ 49,45 por onça troy. Os futuros de prata alcançaram uma alta intradiária COMEX de $ 50,35 por onça troy (CBOT intradiária máxima foi de $ 52,80) e uma redução da relação ouro / prata para 1: 17,0 (o ouro também atingiu o pico no mesmo dia em 1980, em $ 850 por onça troy). [19] [20]

Nos últimos nove meses de 1979, estimava-se que os irmãos possuíam mais de 100 milhões de onças troy de prata e vários grandes contratos futuros de prata. [21] No entanto, uma combinação de regras de comércio alteradas na Bolsa Mercantil de Nova York (NYMEX) e a intervenção do Federal Reserve pôs fim às suas participações e ao seu potencial de lucro na mercadoria. Em 1982, o London Silver Fix caiu 90%, para US $ 4,90 por onça troy. [22]

Em 1979, o preço das Good Delivery Bars de prata saltou de cerca de US $ 6 por onça troy para uma alta recorde de US $ 49,45 por onça troy (em 18 de janeiro de 1980), [23] o que representa um aumento de 724%. O preço mais alto da própria prata [isto é, prata não elegível para ser entregue em uma bolsa para cobrir uma posição curta] é difícil de determinar, mas com base no preço da moeda de prata comum, ele atingiu um pico de cerca de US $ 40 / onça. [24] O fato de as Good Delivery Bars terem sido vendidas com um prêmio de cerca de 25% indicaria que foi principalmente um pequeno aperto de Good Delivery Bars, não a prata em si. Estima-se que os irmãos detêm um terço de todo o suprimento mundial de prata privada (sem contar a prata mantida pelos governos). A situação para outros compradores em potencial de prata que não tinham estocado o metal antes de sua corrida de touros era tão terrível que a joalheria Tiffany's publicou um anúncio de página inteira no The New York Times, culpando os Irmãos Hunt pelo aumento no preço e declarando que "Achamos que é inescrupuloso para alguém acumular vários bilhões, sim, bilhões de dólares em prata e, assim, elevar o preço tão alto que outros devem pagar preços artificialmente altos por artigos feitos de prata".

Em 7 de janeiro de 1980, em resposta à acumulação de Hunts, as regras de câmbio relativas à alavancagem foram repentinamente alteradas, e o COMEX adotou a "Regra de Prata 7", colocando pesadas restrições à compra da commodity na margem, causando liquidações massivas e enormes pressão descendente sobre o preço. Os irmãos Hunt haviam tomado emprestado pesadamente para financiar suas compras, e como o preço começou a cair novamente, caindo mais de 50% em apenas quatro dias devido à súbita liquidação forçada de posições de margem, eles se tornaram incapazes de cumprir suas obrigações, causando ainda mais pânico em os mercados de metais preciosos.

Os Hunts nunca foram considerados culpados de qualquer delito criminal, embora mais tarde tenham perdido uma ação civil para uma empresa de mineração peruana que havia perdido dinheiro durante os eventos do boom e da quebra da prata. Ao longo da década de 1980, a fortuna considerável dos Hunts diminuiu após esses eventos, e eles finalmente pediram falência. Em 1989, eles concordaram em um acordo civil com a Commodity Futures Trading Commission, pagando multas e concordando com a proibição do comércio de commodities.

Edição 2010–2011

O risco para a economia mundial era tão grande que os investidores aumentaram os preços comprando commodities defensivas (por exemplo, prata ou ouro). Quando se acreditava que os riscos de curto prazo haviam diminuído, muitos investidores realocaram seus ativos de volta para investimentos lucrativos (dividendos ou juros), como ações ou títulos.

A crise do teto da dívida dos Estados Unidos em 2011 foi um fator importante no aumento dos preços da prata. As eleições de meio de mandato de 2010 nos EUA destacaram as diferenças de política entre o presidente Obama e o movimento Tea Party. O preço da prata aumentou simultaneamente de US $ 17 para US $ 30 com a aproximação das eleições. No final de 2010 e 2011, a prata encontrou um "novo normal" entre $ 25 e $ 30.

Em 2011, os republicanos no Congresso exigiram que a redução do déficit fosse parte da legislação que aumentava o teto da dívida do país. A disputa resultante foi resolvida em 2 de agosto de 2011 pela Lei de Controle de Orçamento de 2011.

Durante os primeiros meses de 2011, a Moody's e a S & ampP rebaixaram as perspectivas sobre as finanças dos EUA, o que foi um grande choque para o mundo financeiro e resultou na subida da prata para US $ 50.

  • Em 18 de abril de 2011, a agência de classificação norte-americana S & ampP emitiu uma perspectiva "negativa" sobre a classificação de dívida soberana "AAA" (qualidade mais alta) dos EUA pela primeira vez desde que a agência de classificação começou em 1860, indicando que havia um uma chance em três de uma redução total na classificação nos próximos dois anos.
  • Em 25 de abril de 2011, a prata era negociada a $ 49,80 por onça no mercado à vista de Nova York.

Em 5 de agosto de 2011, a S & ampP emitiu o primeiro rebaixamento da classificação de crédito do governo federal, citando suas advertências de abril, a dificuldade de fazer a ponte entre as partes e que o acordo resultante ficou muito aquém do esperado 'grande negócio' abrangente. [25] O rebaixamento do crédito e o colapso do teto da dívida contribuíram para que o Dow Jones Industrial Average caísse quase 2.000 pontos no final de julho e agosto. Após o rebaixamento em si, o DJIA teve um dos seus piores dias da história e caiu 635 pontos em 8 de agosto. [26]

Então, como se tornou provável que o secretário do Tesouro dos EUA, Timothy Geithner, ordenaria que o tesouro usasse medidas extraordinárias para atrasar a crise, a prata voltou a custar US $ 35. Como o desastre continuou durante o verão, a prata oscilou na faixa de $ 33 a $ 43.

Como ficou claro que o "apocalipse financeiro" seria adiado pelo final do verão, muitos investidores se desfizeram da prata e das commodities e voltaram para as ações dos EUA. O preço da prata voltou rapidamente para US $ 30 e caiu abaixo dos níveis de 2010 nos anos seguintes.

Se classificar o movimento da prata como uma 'bolha' (visto ao comparar a prata com o ouro) tem sido discutível, com Peter Schiff negando que uma bolha tenha existido e afirmando que os fatores que levaram ao aumento no preço da prata ainda não foram resolvidos.

Maior preço de prata registrado

1980 2011
Londres LBMA (Fechar) $ 49,45 (18 de janeiro) $ 48,70 (28 de abril)
Londres LBMA (intradiário) $ 50,50 (18 de janeiro)
New York COMEX (Fechar) $ 48,70 (17 de janeiro) $ 48,55 (29 de abril)
New York COMEX (intradiário) $ 50,36 (18 de janeiro) $ 49,82 (25 de abril)
Chicago CBOT (Fechar)
Chicago CBOT (intradiário) $ 52,80 (18 de janeiro)

Edição 2020

O preço médio estimado da prata em 2020 foi de $ 20,00 por onça troy, 16% maior do que o preço médio em 2019. O preço começou o ano em $ 17,98 por onça troy, depois caiu para $ 12,13 por onça troy em 18 de março. de prata aumentou para US $ 28,99 por onça troy, em agosto, porque a pandemia de COVID-19 causou um aumento na demanda dos investidores, bem como na demanda industrial. O preço foi o mais alto desde março de 2013, no entanto, teve uma tendência de queda até novembro. Em 2020, estima-se que o consumo global de prata tenha diminuído ligeiramente em relação ao de 2019. O consumo de moedas e barras aumentou pelo quarto ano consecutivo. Estima-se que o consumo para usos industriais tenha diminuído no primeiro semestre de 2020 devido a restrições de bloqueio em resposta à pandemia de COVID-19, interrupções na cadeia de suprimentos, redução da reposição de estoque e redução da força de trabalho nas fábricas. O consumo de joias e talheres de prata foi estimado em 23% e 34%, respectivamente. Em 2020, houve um aumento do investimento físico em prata, atingindo uma estimativa de 7.370 toneladas (236,8 milhões de onças troy) em comparação com 5.820 toneladas (187 milhões de onças troy) em 2019. As participações globais alcançaram 28.800 toneladas relatadas (925 milhões de onças troy) em comparação com 30.890 toneladas (993 milhões de onças troy) em 2019.

A produção mundial da mina de prata diminuiu 6% em 2020 para cerca de 25.000 toneladas, principalmente como resultado da diminuição da produção das minas na China, México e Peru, principalmente devido a fechamentos no primeiro semestre do ano em resposta ao COVID- 19 pandemia. A produção da mina de prata dos Estados Unidos aumentou ligeiramente em 2020 em comparação com 2019, principalmente devido ao aumento da produção nas operações de mineração no Alasca. A pandemia COVID-19 afetou a produção de prata nos Estados Unidos, no entanto, o fim da greve na mina Lucky Friday em janeiro compensou as perdas de produção.

Grandes traders ou investidores Editar

O mercado de prata é muito menor em valor do que o mercado de ouro. O mercado de barras de ouro de Londres movimenta 18 vezes mais valor monetário do que a prata. [27] Com a demanda física estimada em apenas $ 15,2 bilhões por ano, pode ser possível para um grande negociante ou investidor influenciar o preço da prata positiva ou negativamente. Por exemplo:

Em 1979, os irmãos Hunt foram acusados ​​de tentar "monopolizar" o mercado de prata e estima-se que tenham acumulado mais de 100 milhões de onças troy de prata, contribuindo potencialmente para o aumento do preço de $ 6 para $ 48,40 / onça.

Em abril de 2006, a iShares lançou um fundo negociado em bolsa de prata, denominado iShares Silver Trust, que em novembro de 2010 detinha 344 milhões de onças troy de prata como reservas. [28]

Um grande impulsionador das vendas de prata em 2012 foi o Morgan Stanley e suas posições vendidas. Isso influenciou o mercado de prata, junto com uma aparente escassez de prata acima do solo disponível para investimento. Como a prata continua a crescer para uso industrial, menos do metal está disponível para ouro físico para investimento. Isso, juntamente com a incerteza do investimento em papel, impulsionou os preços de mercado de forma selvagem.

Edição de venda a descoberto

Em abril de 2007, o Relatório de Compromissos dos Traders revelou que quatro ou menos corretores detinham 90% de todos os contratos futuros de prata a descoberto, totalizando 245 milhões de onças troy, o que equivale a 140 dias de produção. De acordo com Ted Butler, um desses bancos com grandes posições vendidas em prata, JPMorgan Chase, também é o custodiante do SLV silver exchange-traded fund (ETF). Alguns analistas de prata apontaram para um potencial conflito de interesses, uma vez que um exame minucioso dos documentos da Comex revela que as ações do ETF podem ser usadas para "cobrir" as entregas físicas de metal da Comex. Isso levou os analistas a especularem que alguns depósitos de prata têm vários direitos sobre eles. Em 25 de setembro de 2008, a Commodity Futures Trading Commission (CFTC) cedeu e sondou o mercado de prata após queixas persistentes de jogo sujo. [29]

Em abril de 2010, Andrew Maguire, ex-trader da Goldman Sachs, abriu o capital com afirmações de manipulação de mercado pelo JPMorgan Chase e HSBC dos mercados de ouro e prata, gerando uma série de ações judiciais. [30] Em resposta às alegações de manipulação de mercado de investidores de prata como Max Keizer, Blythe Masters, chefe de commodities globais do JP Morgan, disse à CNBC em abril de 2012 "muitas vezes, quando os clientes têm metal armazenado em suas instalações, eles fazem hedge por meio do JP Morgan em uma base futura, que por sua vez se protege nos mercados de commodities. Se você vir apenas os hedges e nossa atividade no mercado de futuros, mas não estiver ciente da posição do cliente subjacente que estamos protegendo, isso sugeriria de forma imprecisa que estamos executando uma grande posição direcional. " [31]

Demanda industrial, comercial e de consumo Editar

O uso tradicional de prata na revelação fotográfica vem caindo desde 2000 devido ao declínio da fotografia em filme. [2] No entanto, a prata também é usada em aparelhos elétricos (a prata tem a resistência mais baixa dos metais industriais), fotovoltaicos (um dos mais altos refletores de luz), solda compatível com RoHS, roupas e usos médicos (a prata tem propriedades antibacterianas). Outras novas aplicações para prata incluem etiquetas RFID, preservativos de madeira, purificação de água e higiene alimentar. [32] O Silver Institute viu um aumento notável nos produtos biocidas à base de prata chegando ao mercado, conforme explicam:

Atualmente, estamos vendo uma onda de aplicações de biocidas à base de prata em todas as áreas: industrial, comercial e de consumo. Novos produtos estão sendo introduzidos quase que diariamente. As empresas estabelecidas estão incorporando produtos à base de prata nas linhas atuais - roupas, geladeiras, telefones celulares, computadores, máquinas de lavar, aspiradores de pó, teclados, bancadas, puxadores de móveis e muito mais. A tendência mais recente é o uso de partículas de nanoprata para fornecer íons de prata.

Dados de 2010 revelam que a maior parte da prata está sendo usada para a indústria (487,4 milhões de onças), joias (167,0 milhões de onças) e investimentos (101,3 milhões de onças). [34]

A expansão das classes médias em economias emergentes que aspiram a estilos de vida e produtos ocidentais também pode contribuir para um aumento de longo prazo no uso industrial e de joias.

Proteja-se contra o estresse financeiro Editar

A prata, como todos os metais preciosos, pode ser usada como proteção contra inflação, deflação ou desvalorização. [35] Como Joe Foster, gerente de portfólio do Van Eck International Gold Fund, com sede em Nova York, explicou em setembro de 2010:

As moedas de todos os principais países, incluindo o nosso, estão sob forte pressão por causa de enormes déficits governamentais. Quanto mais dinheiro é injetado nessas economias - basicamente a impressão de dinheiro - menos valiosas as moedas se tornam.

Edição de Recursos Mundiais

Embora a prata fosse o principal produto em várias minas, a prata era obtida principalmente como subproduto das minas de chumbo-zinco, cobre e ouro, em ordem decrescente de produção. Os depósitos de minério polimetálico dos quais a prata foi recuperada representam mais de dois terços dos recursos americanos e mundiais de prata. As descobertas mais recentes de prata foram associadas a ocorrências de ouro, no entanto, ocorrências de cobre e chumbo-zinco que contêm prata como subproduto continuarão a representar uma parte significativa das reservas e recursos no futuro.

Editar substitutos

Imagem digital, filme com conteúdo reduzido de prata, filme preto e branco sem prata e substituto de xerografia para aplicações fotográficas tradicionais para prata. Pinos e placas cirúrgicas podem ser feitos de aço inoxidável, tântalo e titânio em vez de prata. O aço inoxidável pode ser substituído por talheres de prata. As baterias não prateadas podem substituir as baterias prateadas em algumas aplicações. Alumínio e ródio podem ser usados ​​para substituir a prata que era tradicionalmente usada em espelhos e outras superfícies refletoras. A prata pode ser usada para substituir metais mais caros em conversores catalíticos para veículos todo-o-terreno.

Barras Editar

Uma forma tradicional de investir em prata é comprando barras de ouro reais. Em alguns países, como a Suíça e o Liechtenstein, as barras de ouro podem ser compradas ou vendidas no balcão dos grandes bancos.

A forma plana e retangular das barras de prata torna-as ideais para armazenamento em um cofre doméstico, um cofre em um banco ou colocado em um local alocado (também conhecido como non-fungible) or unallocated (fungible ou pooled) storage with a bank or dealer. Silver is traded in the spot market with the code "XAG". When settled in United States Dollars, the code is "XAGUSD".

Silver bars, like silver rounds, can either be cast or poured, or minted both categories often involve the production of bars with intricate decorative designs that are attractive to collectors, often referred to as 'art bars' these types of bars are often given as gifts.

Various sizes of silver bars

  • 1000 oz troy bars – These bars, 999 fine, weigh about 68.6 pounds avoirdupois (31 kg) and vary about 10% as to weight, as bars range from 900 ozt to about 1,100 ozt (28 to 34 kg). These are COMEX and LBMAgood delivery bars.
  • 100 oz troy bars – These bars weigh 6.86 pounds (3.11 kg).
  • Odd weight retail bars – These bars cost less and generally have a wider spread, due to the extra work it takes to calculate their value and the extra risk due to the lack of a good brand name.
  • 1 kilogram bars (32.15 oz troy)
  • 100 gram bars (3.215 oz troy)
  • 10 oz troy bars (311 g) and 1 oz troy bars (31.1 g), which are the least expensive (other than fractional bars) and normally collected in bulk by collectors and small-scale investors.
  • Fractional bars – These come in a variety of weights smaller than 1 ozt, including 1, 2, 5 and 10 grams, but are typically stored in large amounts as significantly more of them need to be collected to accrue value.

Coins and rounds Edit

Silver coins include the one ounce 99.99% pure Canadian Silver Maple Leaf and the one ounce 99.93% pure American Silver Eagle. Coins may be minted as either fine silver or junk silver, the latter being older coins made of 90% silver. U.S. coins 1964 and older (half dollars, dimes, and quarters) are generally accepted to weigh 24.71 grams of silver per dollar of face value, which at their nominal silver content of 90%, translates to 22.239 g of silver per dollar. All U.S. dimes, quarters, halves and 1 dollar pieces contained 90% silver since their introduction up until 1964 when they were discontinued. The combined mintage of these coins by weight exceeds by far the mintages of all other silver investment coins. [ citação necessária ]

All United States 1965-1970 and one half of the 1975-1976 Bicentennial San Francisco proof and mint set Kennedy half dollars are "clad" in a silver alloy and contain 40% silver.

Junk-silver coins are also available as sterling silver coins, which were officially minted until 1919 in the United Kingdom and Canada and 1945 in Australia. These coins are 92.5% silver and are in the form of (in decreasing weight) Crowns, Half-crowns, Florins, Shillings, Sixpences, and threepence. The tiny threepence weighs 1.41 grams, and the Crowns are 28.27 grams (1.54 grams heavier than a US$1). Canada produced silver coins with 80% silver content from 1920 to 1967.

Other hard money enthusiasts use .999 fine silver rounds as a store of value. A cross between bars and coins, silver rounds are produced by a huge array of mints, generally contain a troy ounce of silver in the shape of a coin, but have no status as legal tender which makes them lose favorable VAT status in those countries where lower or zero-rate VAT exists for silver coins. Produced in a wide variety of different designs, ranging from reproductions of existing coin designs to wholly original shapes and patterns, rounds can be ordered with a custom design stamped on the faces or in assorted batches.

Exchange-traded products Edit

Silver exchange-traded products represent a quick and easy way for an investor to gain exposure to the silver price, without the inconvenience of storing physical bars. Silver ETPs include:

  • iShares Silver Trust launched by iShares is the largest silver ETF on the market with over 340 million troy ounces of silver in storage. [37]
  • ETFS Physical Silver and ETFS Silver Trust launched by ETF Securities.
  • Sprott Physical Silver Trust is a closed-end fund created by Sprott Asset Management. The initial public offering was completed on November 3, 2010. [38]

Certificates Edit

A silver certificate of ownership can be held by investors instead of storing the actual silver bullion. Silver certificates allow investors to buy and sell the security without the difficulties associated with the transfer of actual physical silver. The Perth Mint Certificate Program (PMCP) is the only government-guaranteed silver-certificate program in the world.

The U.S. dollar has been issued as silver certificates in the past, each one represented one silver dollar payable to the bearer on demand. The notes were issued in denominations of $10, $5, and $1 however, since 1968, they can no longer be redeemed for physical silver nor for any other form of lawful money, except Federal Reserve Notes (or their coin-equivalents) - on a dollar for dollar basis. However, due to the fact that there was a limit to their issue, and the fact that no more are issued for circulation, there is a collector's premium over face value for these notes. Series dates and issues, as well as condition, are factors which determine such value.

Accounts Edit

Most Swiss banks offer silver accounts where silver can be instantly bought or sold just like any foreign currency. [ citação necessária ] Unlike holding physical silver, the customer has a claim against the bank for a certain quantity of metal. Digital gold currency providers and internet bullion exchanges, such as OneGold, BullionVault or GoldMoney, offer silver as an alternative to gold. Some of these companies allow investors to redeem their investment through the delivery of physical silver. [39]

Derivatives, CFDs and spread betting Edit

Derivatives, such as silver futures and options, currently trade on various exchanges around the world. In the U.S., silver futures are primarily traded on COMEX (Commodity Exchange), which is a subsidiary of the New York Mercantile Exchange. In November 2006, the National Commodity and Derivatives Exchange (NCDEX) in India introduced 5 kg silver futures.

Firms such as Cantor Index, CMC Markets, IG Index and City Index, all from the UK, provide contract for difference (CFD) or spread bets on the price of silver.

Mining companies Edit

These do not represent silver at all, but rather are shares in silver mining companies. Companies rarely mine silver alone, as normally silver is found within, or alongside, ore containing other metals, such as tin, lead, zinc or copper. Therefore, shares are also a base metal investment, rather than solely a silver investment. As with all mining shares, there are many other factors to take into account when evaluating the share price, other than simply the commodity price. Instead of personally selecting individual companies, some investors prefer spreading their risk by investing in precious metal mining mutual funds.


Collecting Antique Silver

If you choose collecting antique silver as your main antique interest, you should make sure you know the general history and the historical periods associated with collectable silver.

Silver is a precious metal.

It’s lighter and slightly less malleable than gold, but unlike gold, silver is prone to tarnishing as it reacts with pollutants in the air.

Silver products are usually made from an alloy of pure silver and a small proportion of a base metal such as copper to improve strength and durability.

The proportion of pure silver varies according to standards set by different countries, such as the Britannia Standard, the sterling silver standard and the various countries assay marks, which are also known as silver hallmarks.

Ever since silver was discovered it has been fashioned into highly decorative objects and personal objects of great beauty, and these can be of prime interest to the silver collector.

Silver has been classed as a precious metal for a very long time and today it is probably cheaper in real terms than it has ever been.

How long this will continue to be the case is anyone’s guess, and as new technologies evolve and new uses are found for precious metals we may just see antique silver and gold becoming less and less affordable.

Antique Silver is a recycleable material and the prices paid for scrap metals in the modern world varies enormously on a day to day basis.

Today there are stories of antique dealers selling rare and precious antique silver objects for their scrap weight value, as often the scrap value is currently bringing in more than selling the item as an antique piece.

The Creation of Antique Silver Hallmarks.

Antique Silver markings were first used in England in the 14th century and the story goes that around 1408 a silversmith called Philip Stubbs complained of the widespread use, by unscrupulous silversmiths, of drossie rubbage or refuse metal. This was alloyed with silver to make the metal tougher and more malleable, but obviously decreased the amount of pure silver in a piece and was cheaper than the actual silver.

Silver has always been alloyed with small amounts of other metals and this has continued through the ages to the modern age, making it very useful for collectors, firstly as an accurate form of dating and history as well as being quite possibly one of the first forms of consumer protection.

Antique Silver Makers Marks …

In 1363 it was decided that one method of identifying the makers of sub-standard work or of maintaining a level of quality control, was to make the Master Goldsmith register a unique mark of his work in the form of initials, symbols or a shield. These antique silver markings would be struck onto the silver.

Date Letter… In 1478 to maintain this standard further, a date letter was introduced using the alphabet. Starting with the letter A, but omitting the letters J and from V to Z, merely changing the letter style or shield with each cycle.

This continued without a break until 1696, when, a new cycle was started called the Britannia standard of antique silver markings.

But, so widespread was the abuse of clipping or melting silver coins, that silversmiths were forbidden to use the sterling standard for their wares. Instead a newer, higher standard of 95.8% pure, was introduced.

New Assay Silver Hallmarks were ordered, utilising the initials of each silversmith, together with a figure of a woman known as Britannia and a lion’s head, replacing the lion (Passant) ie. Full size looking ahead, first used in 1544.

Changing to the higher standard of 95.8% silver caused some controversy. So, in 1720 it was agreed that the old standard would be restored, and run alongside the higher standard.

Silver Duty Marks … in 1720, a charge of 6 pennies an ounce was made, as a duty for restoring back to the old standard. This started a practice called duty-dodging, whereby silversmiths avoided paying duty by incorporating pieces of silver bearing antique sliver marks into a new piece of silverware.

To get over this problem the Assay office introduced a duty paid hallmark in 1784, in the form of the sovereigns head, which remained until 1890 and covered the reigns of George III, George IV, William IV and Queen Victoria.

Although these marks are a great help to the silver collector, you still have to be careful when checking a antique silver markings as there are fakes or alterations that can fool you. It is always best to check the hallmarks and pieces carefully.

In particular, the merging or marriage of two pieces of silver ware into one item has produced suspect silver items over the years. What might have started out as a George III silver tankard could end up as a nice silver Coffee Pot once a spout and handle have been added.

The initial reason for using silver hallmarks was to protect the purchaser, but over the years the marks had been somewhat confusing. Então, In 1973 the Hall-Marking Act resulted in simplified marks and made it easier to recognise and understand antique silver marks.

In 1975, platinum was also included in the Act and it now has to be marked.

Ten Top Tips for Collecting Antique Silver.

Whether you choose to collect sterling or silver plate, flatware or holloware, the following tips should always apply …

  1. Choose a Style, Era or Maker… Reflect upon your lifestyle and personal taste, then make choices that will be a good fit.
  2. Will you be using your antique silver daily… or will you save it for special occasions and holiday celebrations? There are many speciality areas of silver collecting, and some of them are more fanciful than others. Some collectors devote their whole attention to a specific pattern while others collect antique silver from a particular maker or era. Some only collect a particular type of piece, such as fish forks or bon bon servers, while many expand into all areas.


Russia Holds More Gold Than Dollars for First Time in History

For the first time ever, Russia holds more gold than US dollars.

According to a Central Bank of Russia report published this week and analyzed by Bloomberg, gold made up 23% of the Central Bank of Russia’s reserves as of the end of June. The bank’s share of dollar assets dropped to 22%. In 2018, more than 40% of Russian reserves were in dollars.

Russia’s gold holdings eclipsed its dollar reserves last year despite a halt in gold purchases. This was partly due to an increase in the value of its gold holdings with the rise in gold prices, and partly a function of the central bank’s continued efforts to shed dollar assets.

Russia’s shrinking dollar reserves was no accident. It was an intentional “de-dollarization” policy outlined by President Putin to lower the country’s exposure to the United States and shield it from the threat of US sanctions.

Gold now ranks as the second-largest component of Russia’s central bank reserves only behind euros. The Central Bank of Russia has also increased its holdings of yuan. The Chinese currency now makes up about 12% of Russian reserves.

Before ending its purchase program last spring, Russia was the biggest central bank buyer of gold. The Central Bank of Russia bought $4.3 billion worth of the yellow metal between June 2019 and June 2020, according to the report.

But the Russians were buying gold long before that. The Central Bank of Russia bought gold every month from March 2015. According to Bloomberg, “Russia spent more than $40 billion building a war chest of gold over the past five years, making it the world’s biggest buyer.”

Meanwhile, the Russian central bank was aggressively divesting itself of US Treasuries. Russia sold off nearly half of its US debt in April 2018 alone, dumping $47.4 billion of its $96.1 billion in US Treasuries.

With the US taking advantage of its privilege as the issuer of the world reserve currency to push its foreign policy agenda across the globe, Russia and other countries have made a concerted effort to minimize exposure to the dollar. Even allies such as the EU have created alternate payment channels to circumvent the dollar-based system. We’ve been watching this de-dollarization trend over the last several years, and have written extensively about the push to minimize dollar exposure by countries like Russia and China and their desire to undermine the ability of the US to weaponize the dollar as a foreign policy tool.

For instance, in 2018, the Russians launched a payment system to serve as an alternative to SWIFT.

SWIFT stands for the Society for Worldwide Interbank Financial Telecommunication. The system enables financial institutions to send and receive information about financial transactions in a secure, standardized environment. Since the dollar is the world reserve currency, SWIFT facilitates the international dollar system.

SWIFT gives the US a great deal of leverage over other countries. The US has used the system as a stick before. In 2014 and 2015, it blocked several Russian banks from SWIFT as relations between the two countries deteriorated. Last fall, the US threatened to lock China out of the dollar system if it didn’t follow UN sanctions on North Korea.

Taken in isolation, Russia’s aggressive de-dollarization isn’t significant. But if the trend continues in other countries, it could eventually threaten the dollar’s role as the reserve currency. Last summer, a Goldman Sachs research note warned that the dollar’s role as the world reserve currency is at risk.

Get Peter Schiff’s most important Gold headlines once per week – click here – for a free subscription to his exclusive weekly email updates.
Interested in learning how to buy gold and buy silver?
Call 1-888-GOLD-160 and speak with a Precious Metals Specialist today!


6. Blue Moon of Josephine – $48.4 million

This diamond was bought in 2014 by the convicted-felon fugitive Hong Kong billionaire Joseph Lau Luen-hung. He bought it for his seven-year-old daughter Josephine, after whom he named the stone. It is 12.03 carats and cost the felon $48.4 million, the most per carat a diamond of any color has ever sold for.

The Blue Moon of Josephine, discovered in 2014, is another diamond from the mines of South Africa. With a rare crystal blue color, when it was found in the rough by Petra Diamonds, it was 29.6 carats and hard to miss. Its current owner Lau became a felon that same year for bribing a former minister in Macau. He is not serving time in jail, and remains a fugitive, because Macau and Hong Kong do not have an extradition agreement.


When was Silver ever more valuable than Gold? - História

Aluminium is literally one of the most common elements on Earth. So how did it come to be that aluminium cost more than gold? Was it similar to how the relatively common and easily acquired mined diamond came to be seen as valuable in the last century due to strict control of supply to consumers and some of the best marketing the world has ever seen? (For reference, the cost of mining a 1 carat diamond is about $50, though it sells for drastically more than that, even low quality ones for industrial use. On the high end, suitably high quality ones will sell for, on average around $25,000 once cut and polished, generally by cheap labor in places like China.)

The simple answer is that although aluminium makes up about 8% of the Earth’s crust, it has never been known to occur in its metallic form anywhere on Earth. Instead, aluminium appears mainly as a chemical compound across the globe, for example inside potassium aluminium sulfate.

Before aluminium was discovered, or even theorised, so called “alum compounds”, like potassium aluminium sulfate, have been used extensively since antiquity for everything from leather tanning to fire-proofing. In fact, potassium aluminium sulfate (colloquially known as potassium alum) is still used today in things like aftershave and baking powder and most awesomely of all, in its crystal state it can be used as a “deodorant rock” that you rub on yourself to eliminate body odour.

Now, at first glance it would seem like these chemical compounds are referred to as “alum” because they contain aluminium, but this isn’t the case. The word “Alum” is the colloquial name given to a wide range of compounds that don’t necessarily include aluminum, for example chromium potassium sulfate which is commonly shortened to chrome alum. The word aluminum itself is a derivative of the the word “alum”, not the other way around.

It is commonly held that aluminum wasn’t theorised to exist until around 1807 when a chemist, Sir Humphrey Davy, argued that alum was the salt of a yet undiscovered metal, a metal Davy wanted to call “alumium”. However, there’s some debate amongst the scientific community about whether Davy was truly the first person to make this leap, because 30 years prior in 1778, the French chemist, Antoine Lavoisier, posited in his landmark book “Elements of Chemistry” that what he called “argilla (aluminium oxide) could exist as a solid metal in theory, but that the technology of the day couldn’t separate the strongly bound oxygen atoms. In fact, argilla is tentatively listed as an actual element in Lavoiser’s original draft of his table of elements.

Aluminium as we know it today was first created in a lab by Hans Christian Oersted by heating aluminium chloride with potassium amalgam in 1825. In honor of Davy’s work which had inspired Oersted’s experiment in the first place, this new metal was dubbed “aluminium”.

The flecks of metal that Oersted produced using this method were so small and impure that a proper analysis of the metal was impossible.

Two years later, Friedrich Wöhler entered the aluminum manufacturing scene and developed a new way of isolating aluminium in its powdered form by improving upon Oersted’s original experiment. Even then it took another 18 years for enough of the metal to be produced for scientists to properly study its properties, and it wasn’t until 1845 that aluminium’s remarkable lightness was noted.

Nine years later, in 1854, Henri Sainte-Claire Deville developed a way of producing the metal on a much larger scale with the use of sodium, allowing, for the first time in history, kilograms of the metal to be produced at a time. For comparisons sake, it had taken Wöhler years to produce the same amount of aluminium Deville could produce in a single day.

A year later, in 1855, 12 small ingots of aluminium were displayed at the “Exposition Universelle” a huge French exhibition organised at the bequest of French emperor Napoleon III. Almost immediately after the exhibition, demand for this magical metal sky-rocketed. Its shininess combined with its almost ghostly lightness compared to other metals made it an ideal metal for jewellery and it wasn’t long until the French elite were wearing broaches and buttons made of the aluminium.

This passing fancy that the upper echelons of society had with aluminum infuriated Deville to no end because he felt that the metal had significant practical applications to benefit the masses, not just to be used as a curiosity to be flaunted by the elite.

One person who shared Deville’s vision was Emperor Napoleon III himself who granted Deville a virtually unlimited budget to study and produce the metal long before the exhibition. Napoleon had hoped that this new metal could be used to produce lightweight weapons and armor for his army. Although a few helmets were produced, the sheer cost of refining the metal shelved the plan indefinitely.

Frustrated, Napoleon III had his supply of aluminium melted down and pressed into cutlery. As the oft-repeated story goes, Napoleon III was rumoured to have eaten off of the aluminium plates while his guests had to make do with ones made of gold. Whether that story is true or not, at this point aluminium really was harder to get hold of than gold and the price reflected that, despite its prevalence in the Earth compared to gold.

All of that changed in 1886 when it was discovered (twice) that you could easily obtain oodles of aluminum using electrolysis. The discovery was made by Paul Lois Toussaint Héroult and Charles Martin Hall at almost the same time in both France and America, totally independent from one another. For this reason, the process (which is still used today) is referred to as the Héroult/Hall process in honor of both of them.

Two years after this, it was discovered by Karl Bayer that aluminium oxide could be made very cheaply from bauxite. As a result of both of these things, the price of aluminium plummeted by 80% overnight. In a few short years, aluminium went from being literally the most expensive metal on Earth to the cheapest. For reference, in 1852 (before the Héroult/Hall process), aluminium sold for upwards of $1,200 per kilo. By the start of the 20th century, that same amount of aluminium cost under a dollar.

Se você gostou deste artigo, também pode desfrutar de nosso novo podcast popular, The BrainFood Show (iTunes, Spotify, Google Play Music, Feed), bem como:


Value of Silver vs. Value of the Dollar

DO YOU HAVE an implicit, unswerving trust in the government-assured value of the dollar? If so, please don’t waste your time reading this essay.

But if you have even a sliver of doubt in the ever-dwindling value of fiat currency…if you fear the ravages of inflation…or if you’re interested in some non-paper based capital protection and possible appreciation…please read on. You might find a compelling, unique opportunity today.

Value of Silver vs. Value of the Dollar: Now, Trade Your Dollars for Actual Gold and Silver

(I’ll give you a hint – it’s a new, simple way to trade your dollars for actual physical silver and gold. It’s a way for you to personally return to the cherished and forgotten gold standard. It’s one way you can personally return to sound and honest money – even if the government doesn’t.

It’s not a stock, ETF, option or futures contract. The possible profits from those investments are real. And, although those profits would derive from special metals – they take value from the market value of a piece of paper. And when you get right down to it, paper make a poor substitute for the real thing. If you can get it, it’s even better to to own a real asset – ownership backed by tangible, dense, truly rare precious metals. But first, let’s quickly go over the case for gold and silver as money, with particular attention paid to silver.)

Let’s start with the dollar’s forced debasement. It’s the main reason holding a small percentage of your portfolio in real precious metals is not just important, but urgent. Gold and silver protect you against the inevitable decline of hollow paper money. They insure you against inflation. Today, inflation’s nearly as certain as death and taxes.

Did you know that today’s dollar can only buy about 2% of what it could buy in 1900? Compare that to gold, which today buys 150% of what it could in 1900. So, in roughly a century, gold has catapulted to 75 times as much purchasing power as the dollar.

The government’s promise of a stable dollar reeks. Like the breathless pledge of a toothy codger to a hooker. Not sober. Not to be trusted. And it’s certainly not something you should rely on for your investment future.

The value of gold and silver does not hinge directly on a promise from a government’s central bank. It is not a promise to pay. It’s just gold and silver. The real thing. Those precious metals form a safe haven for your wealth, protecting you from the horrors of inflation and the destruction of paper currencies.

In addition to offering unparalleled protection in today’s uncertain financial world, gold and silver actually can offer you a powerful opportunity to increase your wealth. You can protect yourself AND profit from the right exposure to these precious metals. It’s an excellent combination — killing some of your risk and adding the possibility of gains…

But just how likely is a rise in the gold and silver prices? After all, both metals have had good runs lately. Is the best behind us? De jeito nenhum. In fact, according to some, a second, even more powerful leg of the raging precious metal bull is nearly inevitable.

I’m assuming you know about the stellar recent run-up in gold. It’s doubled in a short period of just over 3 years. Silver’s done slightly better than gold in the same period of time. But there’s an alarming fact about silver that you have most likely never heard…

Value of Silver vs. Value of the Dollar: Above the Ground, Silver is Rarer Than Gold

That’s right, silver is rarer than gold. But now you ask “Greg, you dolt, why the heck does an ounce of gold cost 54 times as much as an ounce of silver?” I’ll get to that in a moment, but first I’ll show some more about silver’s relative rarity.

There’s less above-ground silver than gold…the main reason for that is the fact that nearly all dug-up silver immediately goes to industrial use. Silver’s one of the most useful elements on earth, with incredibly high thermal and electric conductivity.

In addition to the rabid industrial hunger for silver, the world’s Central Banks, including America’s, have sold off or used up the vast majority of their silver stockpiles. America ran through her reserves to issue popular silver coins. It didn’t seem like a waste at the time because the price snoozed at low levels throughout the mid-eighties to the early nineties.

Today, industry uses only 5% of exhumed gold. And, obviously, gold’s industrial use only grew out of the industrial era. For over 2,000 years, hard money, jewelry, art and other lasting artifacts formed the sole uses for gold.

That means nearly all of the gold ever yielded by the earth sits in gold bars, coins, or jewelry, shining through the ages with pride. All while almost every unearthed ounce of silver perishes in industrial use.

(Now, an army of grinning grannies could liquidate their heirloom tea sets and serving spoons with $25/ounce silver. I wouldn’t want to get in their way. But such an unpredictable unloading would unlikely have a lasting effect on industry’s necessary inventories of silver.)

That’s why there are 1.6 billion ounces of gold inventory compared to only 300 million ounces of silver inventory. That’s 5.33 times as much gold as silver. For the sheer heck of it, let’s translate that into dollar value…

At $554 per ounce, the entire gold inventory has a worth of $886.4 billion. At $10.33 per ounce, the entire silver inventory’s worth $3.1 billion. So, the total mass of above-ground gold’s dollar-worth outweighs silver’s by 285 times. Even though silver’s five times rarer.

And, there’s no argument I can recite that explains why silver’s not as good an inflation hedge or dollar-bastion as gold. You probably remember that the British Empire measured the first world reserve currency, the pound sterling, in silver.

In fact, if the argument for a precious metal’s worth takes its power solely based on rarity, then you might think that silver should be worth MORE than gold. And yet, ounce per ounce, gold’s 5.33 times more beloved than her slighted silvery sister. Of course, if more people start figuring this out and begin to stockpile silver for wealth protection and appreciation purposes, then silver might equalize herself more with her glistery sister.

And, although silver’s ramped up on a tear, hitting a 22-year high…even though the silver market’s notoriously volatile, it could have even more explosive mid to long-term upside if its price equalized more with gold’s.

This kind of situation makes the case for higher silver prices based on pure supply and demand. But, you probably have heard the mutterings about a possible silver ETF from Barclays that would buy bullion directly, similar to the gold ETF with the symbol GLD. Now, that new ETF would definitely put a strain on the already slim silver inventory supply.

Value of Silver vs. Value of the Dollar: Overnight, You’d Have Demand for Millions of Ounces of Silver

That anticipated strain scares the heck out of industrial silver users. Which explains their ferocious opposition to the proposed ETF.

In fact, multiple interesting theories swirl around whether or not the silver ETF will gain regulatory approval. Such as: where could the huge amount of silver necessary to line the ETF’s vaults come from? Does some billionaire, maybe Buffett, have a huge silver stockpile sitting around? Why are the silver users so adamant about in opposing the ETF? Does someone have a bunch of naked short contracts out there?

It’s enough to get a conspiracy-minded fellow extremely giddy. But I’m not here to speculate about whether or not the silver ETF will get SEC approval. I think the price of silver has a good chance of going up. ETF or not.

If the silver ETF does list and trade sometime this year, your potential gains from buying shares in it would take a swift hit from the huge 28% collectibles tax, not the usual 15% or so that usually hits your other stock market capital gains. So, to get a lower tax rate, an investor would have to buy it through an IRA or other similar vehicle.

Moreover, the ETF would take a 0.5% annual management fee, paid to itself by selling the silver bought in the fund. Thus, the amount of physical silver represented by each ETF share held dwindles incrementally year-by-year.

Wasn’t one of the main benefits to precious metals investing an escape from the dollar and “paper” profiteering? With an ETF, any gains you could possibly make by an increase in silver’s price would eventually convert back into dollars – the ETF won’t deliver the silver bullion to your house.

Value of Silver vs. Value of the Dollar: Introducing the Bank Account Made Up of Silver and Gold

Não me entenda mal. Gains are gains. But in some sense, for real hard money bugs, a metals ETF is a temporary dollar “laundry machine,” not a permanent store of wealth.

Profits from purely financial assets are easy come, easy go in this fluid world. It’s enough to make you want to get your hands on some actual silver.

It just so happens that there’s a fresh, new way to buy actual silver coins and bullion bars. It comes from Whiskey & Gunpowder ally EverBank.

EverBank has just launched a new “bank account” that’s made up of physical silver or gold. You can easily convert your paper dollars right into real, dense bullion and coins. You can even take delivery of the actual metals if you so desire.

And, unlike a mining stock or ETF, with EverBank Metals Select you can buy or sell your silver or gold close to the spot prices of those metals. It’s the closest and most direct connection I know of an investment’s price to precious metals themselves.

There are 2 ways to jump in on this innovative new opportunity: you can choose a pooled account or holding account. The pooled account contains a mix of coins and bars of your favorite metal. There are no management, custodial or insurance fees – and you’re free to buy or sell your holdings at any time the market’s open.

The holding account offers you more direct control over your investments. With it, you can decide exactly which kinds of bullion bars or coins you want to hold – but you’ll pay a storage fee for the holding account.

Best of all, you can open a Metals Select account for as little as $5,000. That’s cheaper than 210 shares of Pan American Silver and it’s less than 100 shares of the gold ETF. And, don’t forget, you pay very close to the spot price of silver or gold when you open your account, add to it, or sell your holdings.

Those are huge advantages if you decide to open a Metals Select account. You’re getting this new opportunity because EverBank wants to create the best bank on the ‘net. Your Whiskey editors already think they ARE the best bank out there. And we try to work with them whenever we can, through our ongoing business relationship. We’re proud to call them a partner.